Pirataria de softwares é crime e causa prejuízo bilionário em todo o mundo | MAIS DADOS DIGITAL

Pirataria de softwares é crime e causa prejuízo bilionário em todo o mundo

A pirataria de software é uma prática ilegal na reprodução de um programa de computador, sem a autorização expressa do titular do produto. De acordo com Davidson Odorico, do suporte Técnico da maisDADOS, todo software instalado no ambiente das empresas deve ser legalizado e para isso, quando a situação for aplicável, deve-se efetuar o pagamento das licenças. ”A Lei 9.609/98, que discorre sobre a pirataria de software, estabelece que a violação de direitos autorais de programas de computador é crime, punível com pena de detenção de 6 meses a 4 anos e multa, além de ser passível de ação cível indenizatória”, destaca.

De acordo com um estudo realizado pela BSA (“Business Software Aliance”, também conhecida domo “The Software Alliance”), hoje, quase metade dos softwares instalados no Brasil não são licenciados. Isto torna os sistemas mais vulneráveis e favorece a incidência de ataques cibernéticos, gerando assim um prejuízo superior a US$ 300 bilhões em todo o mundo, de acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Software. Só na América Latina, estes valores giram em torno de US$ 5,8 bilhões. Segundo Odorico, é necessário que os usuários peçam a certificação dos fabricantes, pois garante que as normas contratuais sejam seguidas. “Cabe a nós da maisDADOS dar essa orientação e buscar o respaldo nas documentações, garantindo a idoneidade e utilização adequada dos nossos produtos. Ser um colaborador das boas práticas colabora no bom funcionamento dos negócios”, afirma.

Odorico enfatiza que os números relacionados à pirataria em âmbito nacional ainda estão acima da média global. “No setor de TI a cópia ilegal de um sistema ou software inviabiliza a remuneração dos fabricantes para investirem na melhoria dos produtos. Todos perdem com isso. Observamos a diminuição nas ofertas de empregos na área e as instituições federativas não arrecadam. O resultado é que as empresas estrangeiras e nacionais não se sentem seguras para investir em tecnologias e no desenvolvimento de novos produtos”, finaliza.

 

topo